quarta-feira, 3 de março de 2010

Promete ...?

PROMETE.. ?



Adivinha. Adivinha se eu não estou me sentindo sozinho! Adivinha. Me sento com as pernas cruzadas e os olhos voltados pro nada pensando em você o tempo todo... Não me deixa mais sozinho, por favor.
Dói. Aqui dentro dói de verdade. Eu não queria que fosse assim. Eu não queria ser tão distante, ser tão difícil. Eu não queria que fosse tão impossível. Tudo tão perto, tão do lado, mas ao mesmo tempo tão lá longe, lá no inferno, lá fora de mim.
Fica comigo. Me abraça forte e não me solta mais. Me segura. Olha pra mim e promete que eu vou ter sempre esses olhos me guiando, essas mãos escrevendo pra mim, esse ombro que me carrega, essa boca que sustenta a minha alma que a qualquer momento pode se quebrar em 20 mil pedaços sem sentido algum. Promete que quando eu te ligar você ainda vai atender e que nada nunca vai mudar. Promete?
Promete pra mim que vai ficar, custe o que custar, me esperando sair de casa, cruzar o portão amarelo e seguir sempre em frente com você. Promete?
Eu tenho medo do que possa acontecer. Tenho medo de perder, medo de ganhar, medo de ficar igual. Tenho medo de que tudo acabe como sempre acabou. Medo que seja mais um rasgo no meu peito, uma das feridas que aparecem sem necessidade, mas que sempre estão lá. Inflamam, pesam, machucam, matam pouco a pouco, dia a dia. Eu tenho medo de acabar sozinho outra vez. Passar mais noites em claro, mais dias sem graças, mais horas sem vida. Eu quero você. Eu quero você agora. Mas tenho medo de não conseguir, de não poder.
Há tantos contigo, aí perto, aí do lado. Tantos que podem te mandar pra longe de mim. São tantos em tantas noites que passam do seu lado. E eu sempre distante. E só de pensar que um desses pode ganhar o seu coração e arrancar de mim, com as mãos, o seu nome que já está grudado aqui dentro, eu fico me sentindo incapaz de ser feliz. Só de pensar que os seus passos podem se desviar dos meus, me sinto sem passo algum.
Fica comigo só um pouquinho. Um pouquinho só. Um segundo. Eu prometo que vou ser feliz assim. Prometo!

Promete...?

2 comentários:

Flávia a. disse...

Na vida a gente erra e junto aos nosso erros, vêm as consequências pelos atos. Mas às vezes, a gente não precisa errar, somente acertando demais, já conseguimos perder tudo o que juraríamos ter pra vida inteira. "Nada é pra sempre." Essa realidade é triste e nos prega peças, mas vale mesmo é viver cada segundo intensamente pra depois nos restar ao menos bons momentos para recordar.
E depois de tudo isso, a única coisa que nos resta é seguir em frente e contar com pessoas que nos amam de verdade, aquelas que fariam de tudo para nos ver felizes. E quanto à chorar e ficar mal? Ah, isso faz parte. Pra isso existem os amigos e o colo de pai e mãe. Nós seres humanos, somos capazes de nos adaptar à quase tudo e como perdas são para serem somente superadas, lhe digo que em breve, tudo ficará bem e tu voltará a sorrir e ser feliz e com certeza dirá que nunca viveu tão bem antes.

Eduarda. disse...

Que texto lindo, gosto de ler coisas com sentimentos. Acho que um bom escritor antes de tudo tem que escrever o que sente, mesmo que não sinta de verdade.. ele tem que sentir. Entendeu? haha
Gostei demais. beijos;*

Postar um comentário